Analytcs

sábado, 18 de junho de 2011

Contato com óleo hidráulico gera adicional de insalubridade em grau máximo

Notícia interessante sobre insalubridade, proferida pelo TST. Lembro que não se aplica ao INSS, que analisará o agente nocivo através do PPP (Perfil Profissiográfico Previdenciário).

Escovas Fidalga Ltda. foi condenada ao pagamento de adicional de insalubridade em grau máximo a uma operadora de máquinas que trabalhava em condições inadequadas, conforme atestado por laudo pericial.


Segundo consignou o TRT2 (SP), a perícia técnica realizada para esclarecer os fatos concluiu que a empregada mantinha contato habitual e intermitente com produtos químicos em serviços de limpeza de maquinário e derrame decorrente de vazamento do sistema hidráulico, em condições insalubres, sem a utilização de luvas impermeáveis. A decisão, da 3ª Turma do TST, confirmou a sentença do Regional.

O TRT2 ressaltou que a própria encarregada do setor em que a empregada trabalhava, ao afirmar que eventuais vazamentos eram corrigidos pelo encarregado da seção, e não pela operadora, admitiu que a máquina utilizada derramava óleo. Entretanto, a empresa alegou que na operação de limpeza, feita uma vez por semana, a trabalhadora utilizava uma estopa, apenas para tirar o pó, e não o óleo. Assim, contestou a conclusão pericial sobre o contato da operadora com óleo hidráulico na execução de suas tarefas diárias.


A relatora do acórdão na 3ª Turma do TST, ministra Rosa Maria Weber, argumentou parecer ilógico que a trabalhadora, ao manusear uma máquina que derrama óleo hidráulico – derivado de petróleo (produto químico insalubre) -, não tenha contato com essa substância química, mas apenas com o pó. Ademais, salientou a relatora, a conclusão do perito, auxiliar do juízo – neutro e imparcial -, foi no sentido do trabalho insalubre em grau médio.

A ministra destacou em sua análise que "o exercício de trabalho em condições insalubres, acima dos limites de tolerância estabelecidos pelo Ministério do Trabalho, assegura a percepção de adicional respectivamente de 40%, 20% e 10% do salário da região, segundo se classifiquem nos graus máximo, médio e mínimo", nos termos do artigo 192 da CLT. Considerando os fatos consignados pelo Regional e a conclusão pericial, a 3ª Turma entendeu devido o adicional em grau máximo, à razão de 40% sobre o salário mínimo, com reflexos em aviso prévio, 13.º salário, férias acrescidas de 1/3 e FGTS acrescido de 40%. (RR-1925-06.2010.5.02.0000)

Fonte: TST

 

 

0 comentários :

Postar um comentário