Analytcs

segunda-feira, 5 de setembro de 2011

Como melhorar seu desempenho em provas: radiografia do CESPE

Sun Tzu, no seu livro "A Arte da Guerra" diz que "Conhece teu inimigo e conhece-te a ti mesmo: se tiveres cem combates a travar, cem vezes serás vitorioso." Quem acompanha meus artigos a mais tempo, sabe que sempre faço um paralelo entre os ensinamentos deste lendário filósofo da guerra e a "guerra" que é os concursos públicos. O CESPE é certamente o maior centro de seleção do Brasil e responsável por boa parte dos melhores concursos federais atualmente. Portanto é imprescindível conhecer bem esta banca. Hoje faremos uma análise do CESPE do ponto de vista do próprio CESPE.



As provas objetivas são,  normalmente, a primeira etapa de 99,9% dos concursos públicos. Em 2010 o CESPE públicou a edição nº 19 (julho, agosto e setembro de 2010) do Jornal do CESPEUNB, no qual havia o artigo intitulado "Os tipos de provas objetivas" e trazia em seu subtitulo praticamente um princípio que é aplicado pela banca constantemente em suas provas "Mais do que conhecimento acumulado, as provas do Cespe/UnB buscam aferir habilidades e competências dos que tentam uma vaga no serviço público", pode parecer um mero slogan sem aplicabilidade mas ao longo deste artigo vamos demostrar que não é bem assim.


Atualmente o CESPEUNB abandonou o modelo "decoreba" em que se era cobrado do candidato meramente a memorização do conhecimento. Assim não se desespere ao abrir a prova e não encontrar o texto seco da lei ou aquela regra básica que o autor da apostila resumiu em um tabela. Mas se não vai aparecer o texto da lei ou a regra da doutrina, como serão cobradas as questões? A resposta vem no mesmo artigo citado:


"o Centro passou a privilegiar
o uso da contextualização e
da interdisciplinaridade na elaboração
dos itens das provas e, na última
década, se aprofundou ainda
mais nessa metodologia."

Vemos isso em praticamente todos os editais, como o recentemente publicado para o concurso público do TCU /2011:


16 DOS OBJETOS DE AVALIAÇÃO (HABILIDADES E CONHECIMENTOS)
16.1 HABILIDADES
16.1.1 Os itens da prova objetiva poderão avaliar habilidades
que vão além do mero conhecimento memorizado, abrangendo compreensão,
aplicação, análise, síntese e avaliação e valorizando a capacidade de
raciocínio.
16.1.2 Cada item da prova objetiva poderá contemplar mais de um objeto
de avaliação.

Resta compreendermos o que é contextualização e o que é interdisciplinaridade para
a banca da UNB. Coordenador Acadêmico do Centro, Paulo Portela, não se pode desprezar
completamente o conhecimento memorizado, pois esta característica é importante em qualquer bom profissional e complementa:


“Nas provas contextualizadas,
tentamos colocar
para o candidato situações-problemas
inerentes à área em que ele
vai atuar no órgão, obrigando-o a
raciocinar e a mostrar como agiria
se já estivesse atuando no cargo”,

Aqui temos uma boa noção do que devemos esperar. Ao invés de questões como:


São princípios da administração pública: Legalidade, Impessoalidade, Moralidade, Publicidade e Eficiência.


Resposta: Certa


(CESPE/PROCURADOR FEDERAL/2002) A concepção hoje predominante dos principios do direito tributário é a de que eles visam precipuamente proteger o cidadão; nessa perspectiva, o princípio da legalidade significa que todos os elementos essenciais à cobrança do tributo devem estar definidos na lei tributária, e um desses elementos é o prazo para o pagamento do crédito tributário, de modo que, sem a definição desse aspecto na lei criadora do tributo, este não poderá ser validamente cobrado.


Gabarito: Errada.


Viu a diferença gritante entre as formas de cobrança do mesmo tema?


Já a interdisciplinariedade mais aplicada nos vestibulares do UNB, também é característica das provas do CESPE e consiste basicamente em "Associação de várias áreas de conhecimento na formulação dos itens..."


A mesclagem destas duas características produz questões certamente com um grau de dificuldade bem alto. Adicione ainda regras que penalizam o chute, como aquele onde uma errada anula uma resposta certa. O resultado é um certame onde certamente passarão os mais bem preparados, por isso é importante conhecer e se habituar com essa metodologia.


 No próximo artigo vamos falar sobre os tipos de prova do CESPEUNB.


Já fez alguma prova do CESPE? Deixe aqui seu comentário.


Professor Darlan

15 comentários :

Kaslurj disse...

Professor, dá para comentar essa questão do Procurador de 2002? Valeu, boa noite.

Professor Darlan disse...

Olá, Lucas.

Essa foi uma questão bastante controvertida nos fóruns, inclusive foi de lá que tirei. A resposta oficial é a que publiquei. Direito Tributário não é minha especialidade, mas eu tenho uma paixão secreta por ele. Portanto vamos a questão. A primeira parte "A concepção hoje predominante dos principios do direito tributário é a de que eles visam precipuamente proteger o cidadão;" esta correta, nesta linha Hugo de Brito Machado afirma "Tais princípios existem para proteger o cidadão contra os abusos do Poder." O problema esta com a segunda parte da questão "nessa perspectiva, o princípio da legalidade significa que todos os elementos essenciais à cobrança do tributo devem estar definidos na lei tributária, e um desses elementos é o prazo para o pagamento do crédito tributário, de modo que, sem a definição desse aspecto na lei criadora do tributo, este não poderá ser validamente cobrado", a esse respeito o mesmo autor complementa adiante no MESMO Capitulo: "o Código tributário alberga norma expressa segundo a qual, quando a legislação tributária não fixar o tempo do pagamento, o vencimento do crédito ocorre trinta dias depois da data..." e continua "O uso, nesse dispositivo, da expressão "legislação tributária", em vez de " lei tributária", indica haver o Código admitido a fixação de prazo para pagamento do tributo em norma infralegal.", apesar dos trechos que colacionei, o próprio autor deixa claro que o tema é controvertido e não concorda com tal posição, mas por fim cita a jurisprudência do STF (RE 140669-PE, informativo STF 134, de 1998 lembro que a questão é de 2002), na qual, este tribunal manifestou seu entendimento no sentido de é constitucional lei que atribui ao Ministro da Fazenda a competência para fixar prazo para recolhimento de tributo, ou seja, relativizando o Princípio da Legalidade . Aqui faço novo alerta sobre a importância de se acompanhar a jurisprudência para quem esta se preparando para concursos do CESPE.

Conclusão: O CESPE queria saber se você conhecia as EXCEÇÕES ao Princípio da Legalidade e principalmente a jurisprudência do STF acerca deste. Sou fã dos livros do Hugo e sempre recomendo, mas quando se tratar do CESPE temos que fazer uma leitura CRITICA em TODAS as doutrinas.

Espero que tenha atendido sua expectativa.

Professor Darlan

DANIELA ELISA CLARO DE OLIVEIRA disse...

Fiz a prova do MPU, realizada pela CESPE e realmente, não vale a pena chutar... só responda se tiver certeza.

Professor Darlan disse...

Minha experiência pessoal também não foi boa...

Valeu Daniela, pela participação.

Professor Darlan

CESPE, FCC, ESAF ou CESGRANRIO, qual será a banca do concurso do INSS? | Blog do Professor Darlan disse...

[...] O CESPE é certamente o maior centro de seleção do Brasil e responsável por boa parte dos melhores concursos federais atualmente.  As provas objetivas são,  normalmente, a primeira etapa de 99,9% dos concursos públicos. Atualmente o CESPEUNB abandonou o modelo “decoreba” em que se era cobrado do candidato meramente a memorização do conhecimento. Assim não se desespere ao abrir a prova e não encontrar o texto seco da lei ou aquela regra básica que o autor da apostila resumiu em um tabela. Mas se não vai aparecer o texto da lei ou a regra da doutrina, como serão cobradas as questões? A técnica utilizada é a contextualização e da interdisciplinaridade, ou seja, questões práticas com várias matérias cobradas ao mesmo tempo. Há normalmente, mas não em todas as provas a penalização do chute, onde você perde 1 ou meio ponto para cada resposta errada. Leia mais sobre o CESPE no artigo “Como melhorar seu desempenho em provas: radiografia do CESPE”. [...]

vigreghi disse...

Boa tarde, fiz a ultima prova dos Correios pela Cespe...realmente necessita mais do que preparo, precisa domínio das matérias, e principalmente capacidade de interpretação apurada. Eu gostei, pois apesar de não ter passado, serviu para realinhar meus estudos. Estou me preparando para o Inss e após cobrir todo o conteúdo do ultimo edital, divido o tempo em 40% revisão e 60% resolução de questões. muita disciplima e dedicação, todos os dias!!!

Professor Darlan disse...

Isso é um exemplo de preparação de alto nivel Viviane. Tenho certeza que vai passar, só tem que escolher bem o lugar.

Elson disse...

Professor Darlan onde encontro um livro que trata de questões desse difícil nível explicando sobre contextualização e interdisciplinaridade (de preferência comentada) pra estudar para o INSS 2012

Desde já agradeço

Att.

Professor Darlan disse...

Elson, para o INSS acho que pode voltar para questões objetivas, pois a banca escolhida ainda "engatinha" nos temas contextualização e interdisciplinaridade. Ainda assim fazer exercícios não é uma má idéia e o CESPE apesar de ter perdido espaço ainda aplica prova para vários concursos muito interessantes. Não tenho nenhum livro deste tipo no meu acervo pessoal, mas você poderá encontrar várias opções interessantes neste link: http://www.vestcon.com.br/livro/livros-questoes-provas-comentadas.aspx

Elson disse...

Caro Professor Darlan obrigado por ter tirado essa dúvida, se não for incômodo gostaria de saber sua opnião sobre este livro que é considerado uma bíblia da CESPE http://www.editorafoco.com.br/produto.asp?prodId=34

Desde já agradeço

Att.

Professor Darlan disse...

Elson, como disse não tenho nenhum desse gênero, mas andei pesquisando sobre ele e apesar de não ter recomendações diretas muitos usam. O número 6000 é realmente impressionante e dá uma boa perspectiva da banca. Acho que se gostou da ideia deveria investir. E por falar nisso, não sei se usa esse conceito, mas livros, cursinhos, etc, para concurseiro é INVESTIMENTO e quem vai fazer ele dar retorno ou não é você. Vou aguardar seu retorno para indicarmos aqui caso goste ou não.

Professor Darlan

Vinicius disse...

Professor,

Vinicius disse...

Professor, eu não sei o que acontece. Cursei ensino fundamental e médio em precária escola pública. Concluí graduação em Direito em 4,5 anos quando a grade previa 6. Após isso, frequentei os melhores cursos preparatórios do meu Estado para correr atrás do prejuízo. Já tenho meu cargo público e quero melhorar. Tenho constância para estudar, mas meu desempenho é aleatório. Sempre há uma ou duas matérias que baixam minhas médias, fazendo com que reprove. É triste saber que tive melhor desempenho que meu chefe em seis matérias da prova, mas ele foi bem naquelas duas em que fui muito mal; ele obteve aprovação, tornando-se meu chefe. Sempre estudo todo o edital, duas vezes profundamente e outras duas resumidamente, e dou maior atenção às matérias nas quasi tenho dificuldade. Surpreendentemente vou muito mal em uma ou duas matérias que possuo bom domínio. Outro fato é que tenho facilidade para acertar questões dificílimas, assim como tenho facilidade para errar questões facílimas. O que acontece?

Professor Darlan disse...

Vinicius, gostaria de ter uma resposta exata para seu relato, mas não tenho. Mas como observador externo tenho algumas observações que talvez possam ajudar. 1- Lembre-se que por mais que não perceba, o fator emocional pode pesar na hora da prova (procure algo que sirva de válvula de escape para a esse tensão pré-prova, ela é normal em todos nós e pode prejudicar e muito na hora H), 2- Como esta sua metodologia de estudo? Você se organiza? Trabalha os resultados dos exercícios em forma de dados (planilhas, gráficos, etc.) caso a resposta seja não, talvez tenha uma visão equivocada do seu domínio (isso não quer dizer que você não conhece, apenas que para aquela banca a bibliografia esta incorreta). Quer um exemplo? Penal não é minha praia, mas sempre ouvi dizer que os livros do professor Damásio não são indicados para algumas bancas. Isso quer dizer que o livro dele é ruim, em absoluto, mas para o examinador não serve. 3 - MOTIVAÇÃO. Como professor sempre observei uma coisa: não existe uma forma de avaliar, que seja absolutamente eficaz. Os concursos então estão a ANOS LUZ que ser uma forma eficiente de selecionar. O problema é que ninguém conhece outra. Você deve estar pensando: "e daí?". O que eu quero dizer é que as suas derrotas tem que lhe fazer mais forte, sua motivação é a MAIOR arma para superar seus desafios. A cada "tombo" você tem a oportunidade de se levantar com ainda mais garra para tentar novamente! Não é atoa que Willian Douglas, guru dos concursos sempre começa suas palestra dizendo os concursos que ele NÃO PASSOU.

Como disse no início não tenho fórmula mágica, mas podemos trocar experiências... Estou aguardando sua resposta!

Ana Claúdia Godinho Rodrigues disse...

prova muito confusa, ou a pessoa sabe com profundidade cada um dos temas cobrados ou esquece, ainda mais quando uma errada anula uma certa

Postar um comentário