Analytcs

segunda-feira, 15 de outubro de 2012

Rio publica Decreto regulamentando concursos públicos


O estado do Rio de Janeiro publicou o Decreto nº. 43.876 de 08 de outubro de 2012 com o objetivo de regulamentar os concursos públicos para provimento de cargos efetivos e empregos públicos integrantes dos quadros permanentes de pessoal do Poder Executivo.



O governo do Rio seguiu a tendência da jurisprudência e algumas normas já existentes para tornar mais seguros os certames realizados no estado. Por exemplo foram fixados prazos de antecedência mínima de 30 dias da data da realização da primeira prova e de até 6 meses antes da publicação do edital; cônjuge, companheiro, parente até o terceiro grau e afim desses sócios e professores; cônjuge, companheiro, parente até o terceiro grau e afim de candidato inscrito no respectivo concurso.para membros da banca e comissão organizadora.


Além das regras acima foi fixado em 5% da remuneração do cargo, o valor da  taxa inscrição . E limites mínimos para fins de classificação em relação as provas orais e de títulos que não poderão representar, somadas, mais do que 20% do total, nem mais do que 10% do total, se consideradas isoladamente.


Veja o Decreto na integra abaixo:


DECRETO Nº 43.876 DE 08 DE OUTUBRO DE 2012
REGULAMENTA OS CONCURSOS PÚBLICOS
PARA PROVIMENTO DE CARGOS EFETIVOS
E EMPREGOS PÚBLICOS INTEGRANTES
DOS QUADROS PERMANENTES DE PESSOAL DO PODER EXECUTIVO E DAS ENTIDADES DA ADMINISTRAÇÃO INDIRETA DO
ESTADO DO RIO DE JANEIRO E DÁ OUTRAS
PROVIDÊNCIAS.
O GOVERNADOR DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO, no uso de
suas atribuições legais e, tendo em vista o que consta do processo nº
E-14/11540/2011,



DECRETA:
Capítulo I
Das Disposições Gerais
Art. 1º - Os concursos públicos para provimento de cargos efetivos e
empregos públicos integrantes dos quadros permanentes de pessoal
do Poder Executivo e das entidades da Administração Indireta do Estado do Rio de Janeiro serão realizados de acordo com os termos
deste Decreto, observadas as peculiaridades estatuídas em leis e decretos especiais.
Art. 2º - O concurso público será de provas ou de provas e títulos.
Parágrafo Único - O concurso público será complementado, quando
exigido por lei, pela realização de curso de formação profissional, em
que, à vista da frequência, aproveitamento, perfil psicológico, idoneidade moral e disciplina dos candidatos aprovados, a Administração
Pública confirmará ou não a aprovação no certame, sem alteração da
ordem de classificação.
Art. 3º - Não se abrirá novo concurso enquanto houver candidato
aprovado em concurso anterior com prazo de validade não expirado.
Parágrafo Único - A Administração Pública poderá realizar concurso
público para a formação de cadastro de reserva para o atendimento
de eventuais necessidades futuras.
Art. 4º - O concurso público terá validade de até 2 (dois) anos, podendo ser prorrogado uma única vez por período igual ao prazo original de validade.
Parágrafo Único - O termo inicial do prazo de validade de que cuida
o caput será a homologação do resultado final das provas e exames
tratados, respectivamente, nos Capítulos VI e VII deste Decreto.
Art. 5º - É assegurada às pessoas portadoras de deficiência, de natureza especificada no Anexo Único da Lei nº 2.298, de 28 de julho
de 1994, a participação em concursos públicos realizados pela Administração Direta e Indireta do Estado.
§ 1º - Para o cumprimento do previsto no caput deste artigo, serão
reservados, no mínimo, 5% (cinco por cento) do total das vagas oferecidas em cada certame às pessoas portadoras de deficiência, salvo
quando se tratar de concurso público para provimento de cargos e
empregos públicos cujas atribuições exijam aptidão física plena para o
seu exercício.
§ 2º - Se a apuração do número de vagas asseguradas aos portadores de deficiência resultar em número decimal igual ou maior do
que 0,5 (meio), adotar-se-á o número inteiro imediatamente superior;
se menor do que 0,5 (meio), adotar-se-á o número inteiro imediatamente inferior.
§ 3º - Os candidatos destinatários da reserva prevista no presente artigo sempre concorrerão à totalidade das vagas existentes, sendo vedado restringir-lhes o acesso aos cargos ou empregos objeto do certame às vagas reservadas.
§ 4º - Os candidatos que não sejam destinatários da reserva prevista
no presente artigo concorrerão às demais vagas oferecidas no concurso, excluídas aquelas objeto da aludida reserva.
§ 5º - Para fazer jus à reserva prevista no presente artigo, o candidato
deverá declarar expressamente a deficiência de que é portador no ato
de inscrição, apresentando seu histórico médico, podendo a Comissão
Organizadora do concurso, antes de deliberar sobre qualquer pedido de
inscrição, solicitar a prévia inspeção médica oficial do requerente, para
comprovação de requisitos para o exercício do cargo.
§ 6º - Será eliminado do concurso o candidato que firmar declaração
falsa relativa ao enquadramento na reserva prevista neste artigo, sem
prejuízo das demais sanções cabíveis em decorrência de tal ato.
§ 7º - Havendo vagas reservadas, os resultados do concurso serão
publicados em duas listas, uma delas referente à pontuação de todos
os candidatos inscritos, inclusive aqueles destinatários da reserva prevista neste artigo, e outra contemplando a pontuação apenas dos candidatos portadores de deficiência.
§ 8º - Não havendo qualquer portador de deficiência que tenha logrado aprovação final no concurso, as vagas inseridas na reserva prevista neste artigo serão revertidas para o cômputo geral de vagas oferecidas no concurso, podendo ser preenchidas pelos demais candidatos aprovados, rigorosamente obedecida a ordem de classificação.
Capítulo II
Da Organização e Realização do Concurso Público
Art. 6º - Os órgãos e entidades promotores de concurso público instituirão Comissão Organizadora composta majoritariamente de servidores efetivos para dirigir as atividades atinentes a cada certame, competindo-lhe:
I - estruturar o concurso público, responsabilizando-se pela sua realização, desde a abertura de inscrições até a sua final homologação,
ressalvada sempre a competência específica da Banca Examinadora;
II - decidir sobre os pedidos de inscrição no concurso público e de
isenção da taxa de inscrição;
III - apreciar a documentação exigida para a investidura no cargo ou
emprego público objeto do concurso público.
Parágrafo Único - Aos integrantes da Comissão Organizadora será
exigido compromisso de sigilo sobre todos os atos do certame que
não sejam públicos, mediante assinatura prévia de termo específico.
Art. 7º - Nos concursos públicos para provimento de cargos e empregos públicos cujas atribuições sejam próprias de profissão regulamentada, o órgão ou entidade promotora do certame convidará representante do respectivo conselho profissional para integrar a Comissão
Organizadora e a Banca Examinadora.
Art. 8º - As Bancas Examinadoras dos concursos públicos realizados
pelo Poder Executivo e pelas entidades da Administração Indireta do
Estado do Rio de Janeiro serão compostas por profissionais ou docentes de reputação ilibada e notório conhecimento técnico da disciplina integrante do programa de cada certame.
Parágrafo Único - Aos integrantes das Bancas Examinadoras será
exigido compromisso de sigilo sobre todos os atos do certame que
não sejam públicos, mediante assinatura prévia de termo específico.
Art. 9º - Não poderão ser designados para compor a Comissão Organizadora e a Banca Examinadora, nem nelas permanecer:
I - sócio ou professor de cursos preparatórios para concursos públicos
na área em que se realizar o certame que ostentem ou tenham ostentado tal condição até 6 (seis) meses antes da publicação do edital
do certame;
II - cônjuge, companheiro, parente até o terceiro grau e afim de pessoas enquadradas na hipótese do inciso anterior;
III - cônjuge, companheiro, parente até o terceiro grau e afim de candidato inscrito no respectivo certame.
Parágrafo Único - Para efeito do cumprimento do disposto no caput
deste artigo, exigir-se-á dos designados declaração de que não estão
incursos em quaisquer das hipóteses arroladas nos incisos I a III.
Art. 10 - O órgão ou entidade promotora do concurso público poderá,
observadas as normas da Lei Federal nº 8.666, de 21/06/93, atribuir a
execução dos atos materiais relativos ao certame, assim como a composição e o funcionamento da Banca Examinadora, a instituição especializada na organização e realização de concursos públicos, dotada de capacidade técnica nesse campo de atividade, especialmente
no que diz respeito à preservação do sigilo das provas e gabaritos e
à isonomia de tratamento aos candidatos.
§ 1º - É vedada a contratação de instituição especializada que, a par
da organização e realização de concursos, ministre cursos preparatórios para concursos públicos.
§ 2º - É vedada à instituição especializada contratada na forma do
caput a subcontratação de qualquer parcela do objeto capaz de interferir na preservação do sigilo das provas e gabaritos e na isonomia
de tratamento aos candidatos.
Capítulo III
Do Edital
Art. 11 - Com antecedência mínima de 30 (trinta) dias da data da
realização da primeira prova, o edital de abertura do concurso público
será publicado no Diário Oficial do Estado, divulgado no sítio eletrô-
nico oficial do órgão ou entidade promotora e afixado nos murais das
respectivas sedes, escritórios e representações.
Parágrafo Único - O edital conterá:
I - número de ordem do concurso relativo ao cargo ou emprego oferecido pela respectiva entidade ou órgão promotor do certame;
II - prazo, local, horários, meios e documentos necessários para inscrição;
III - denominação e atribuições do cargo ou emprego;
IV - número de vagas oferecidas ou a informação de que se destina à
formação de cadastro de reserva;
V - valor da taxa de inscrição, meios de pagamento e critérios para
concessão da respectiva isenção;
VI - tipo de concurso, especificando se consistirá de provas ou provas
e títulos;
VII - condições para investidura no cargo ou emprego objeto do concurso público;
VIII - prazo de validade do concurso;
IX - títulos aceitos para efeito de pontuação no certame;
X - tipo, natureza e programa das provas;
XI - forma de julgamento das provas e dos títulos;
XII - pontuação atribuível às provas e aos títulos;
XIII - critérios de desempate;
XIV - prazos, meios e condições para vista de provas e interposição
de recurso ou apresentação de pedido de revisão das notas atribuídas
pela Banca Examinadora;
XV - as reservas de vagas, com indicação precisa do número ou percentual, e as condições para a inscrição das pessoas portadoras de
deficiência;
XVI - quando possível, a explicitação dos critérios para alocação das
vagas ofertadas;
XVII - outras indicações próprias do certame.
Capítulo IV
Das Publicações e Comunicações
Art. 12 - Serão publicados no Diário Oficial do Estado, divulgados no
sítio eletrônico oficial do órgão ou entidade promotora e afixado nos
murais das respectivas sedes, escritórios e representações:
I - a relação das inscrições homologadas, quando tal homologação
estiver prevista no edital;
II - os gabaritos das provas objetivas;
III - a relação em ordem alfabética dos candidatos aprovados em cada uma das fases do concurso, com as notas e os números de inscrição;
IV - a homologação do resultado final do concurso, com lista nominal
em ordem decrescente de classificação dos candidatos aprovados.
Art. 13 - A convocação dos candidatos aprovados será formalizada
pessoalmente, por meio de publicação oficial e por meio de divulga-
ção no sítio eletrônico do órgão ou entidade promotora do concurso
público.
§ 1º - A convocação pessoal mencionada no caput deste artigo levará
em conta os dados fornecidos pelo candidato quando de sua inscrição
e poderá ser efetivada através de correspondência escrita com aviso
de recebimento, através de correio eletrônico ou qualquer outro meio
similar.
§ 2º - É obrigação do candidato comunicar por escrito ao órgão ou
entidade promotora do concurso público a alteração de seus dados
cadastrais, notadamente o endereço de residência e o endereço eletrônico, sob pena de se considerar efetivada a comunicação pessoal
dirigida ao endereço de residência ou endereço eletrônico fornecido
quando da inscrição.
Capítulo V
Da Inscrição
Art. 14 - A inscrição do candidato no concurso público, de acordo
com o definido no edital, poderá ser feita:
I - pessoalmente, nos locais indicados pelo edital;
II - por procuração, nos locais indicados pelo edital;
III - via postal;
IV - por meio de comunicação eletrônica.
Art. 15 - Em nenhuma hipótese a inscrição será restrita aos meios
postal e eletrônico previstos nos incisos III e IV do art. 14, devendo
haver sempre a possibilidade de inscrição pessoal ou por procuração,
consoante previsto nos incisos I e II do mesmo artigo.
Art. 16 - Os órgãos e entidades promotores do concurso público não
poderão exigir, para a inscrição do candidato, qualquer documento ou
comprovante relativo à sua habilitação ou experiência profissional, escolaridade, titulação acadêmica ou a qualquer outro requisito que se
refira à qualificação pessoal do candidato para desempenhar as atividades inerentes ao cargo ou emprego objeto do certame.
Art. 17 - A taxa de inscrição, cujo pagamento se efetivará na forma
indicada no edital, não será superior a 5% (cinco por cento) da remuneração do cargo para o qual será feito o concurso.
Art. 18 - A autoridade ou a Comissão Organizadora, conforme estabelecerem as normas regulamentares do órgão ou entidade promotora
do concurso público, fixará as condições, critérios e procedimentos
para a concessão de isenção da taxa de inscrição, de forma a garantir o amplo acesso dos candidatos ao certame.
§ 1º - A isenção da taxa de inscrição é direito subjetivo dos candidatos que lograrem demonstrar renda familiar inferior àquela prevista
no respectivo edital e apresentarem, sob as penas da lei, declaração
de hipossuficiência, acompanhada dos comprovantes respectivos, através de cópias autenticadas ou acompanhadas do documento original.
§ 2º - A cláusula de isenção da taxa de inscrição é de inclusão obrigatória no edital.
§ 3º - Sem prejuízo de eventual adoção de critérios mais benéficos
aos candidatos no edital do certame, servirá como prova suficiente
para a concessão de isenção da taxa de inscrição a só comprovação
de inscrição do candidato no Cadastro Único para Programas Sociais
do Governo Federal, regulamentado pelo Decreto nº 6.135, de 26 de
junho de 2007.
Art. 19 - A declaração falsa ou inexata de dados constantes do formulário de inscrição, bem como a apresentação de documentos falsos
determinarão a nulidade da inscrição e dos demais atos dela decorrentes.
Parágrafo Único - Não serão considerados, para os efeitos do caput
do presente artigo, meros erros materiais que não traduzam a inten-
ção de induzir a Comissão Organizadora em erro.
Capítulo VI
Das Provas
Art. 20 - O concurso público poderá contar com provas escritas,
orais, práticas e de títulos, sempre adequadas ao nível de escolaridade e ao grau de formação profissional correspondente ao cargo ou
emprego objeto do certame, podendo o edital combiná-las em fases
ou etapas subsequentes ou concomitantes.
§ 1º - Na nota final do candidato, para fins de classificação, as provas
orais e de títulos não podem representar, somadas, mais do que 20%
(vinte por cento) do total, nem mais do que 10% (dez por cento) do
total, se consideradas isoladamente


§ 2º - O mesmo tipo de prova pode ser aplicado em mais de uma
fase ou etapa do mesmo concurso público, com distintos graus de
exigência ou rigor técnico ou acadêmico, sempre adequadas ao nível
de escolaridade e ao grau de formação profissional correspondente ao
cargo ou emprego objeto do certame.
§ 3º - Qualquer alteração nas condições de realização das provas em
relação às anteriormente estabelecidas deverá ser publicada no órgão
oficial e divulgada no sítio eletrônico oficial do órgão ou entidade promotora do certame com antecedência mínima de 72 (setenta e duas)
horas.
Art. 21 - Para a execução das provas, haverá necessariamente a op-
ção de atendimento diferenciado aos portadores de necessidades especiais.
Parágrafo Único - A opção pelo atendimento diferenciado será oferecida aos portadores de necessidades especiais em campo próprio, a
ser assinalado, no formulário de inscrição.
Art. 22 - Às provas ou a cada disciplina poderão ser atribuídos diferentes pesos para ponderação na média ou nota a ser aferida pela
Banca Examinadora.
Parágrafo Único - Os pesos atribuídos a cada prova ou disciplina deverão estar expressamente previstos no edital.
Art. 23 - Será eliminado do concurso o candidato que:
I - faltar a quaisquer das provas;
II - chegar após o horário estabelecido para a realização de qualquer
etapa do concurso;
III - durante a realização de qualquer prova:
a) comunicar-se oralmente, por escrito, por gestos, sinais de qualquer
natureza ou por qualquer aparelho com outro candidato ou terceiro
estranho ao concurso;
b) utilizar notas, anotações, livros, impressos, manuscritos ou qualquer
outro material literário ou visual, salvo se expressamente admitidos no
edital;
c) portar telefones celulares, máquinas calculadoras, pagers, beeps,
agendas eletrônicas, transmissores ou receptores de mensagem ou
quaisquer outros equipamentos que permitam acesso, armazenamento, transmissão ou recepção de dados, salvo se expressamente admitidos no edital;
IV - se recusar a seguir as instruções de membro da Comissão Organizadora e da Banca Examinadora, da equipe de aplicação e apoio
às provas ou qualquer outra autoridade presente no local do certame;
V - desrespeitar, ofender, agredir ou de qualquer outra forma tentar
prejudicar outro candidato;
VI - se recusar a entregar o material de devolução obrigatória ao término do tempo fixado para a realização da prova;
VII - se ausentar do local de realização do certame ou da sala que
lhe houver sido designada para realização da prova, a qualquer tempo
e sem autorização ou desacompanhado de fiscal ou membro da equipe de aplicação e apoio às provas;
VIII - se retirar ou se ausentar do local de realização do certame ou
da sala que lhe houver sido designada para realização da prova portando material de devolução obrigatória;
IX - descumprir as instruções contidas no caderno de provas, na folha
de respostas ou em qualquer material oficial de instruções relativas ao
certame;
X - perturbar de qualquer modo a ordem dos trabalhos durante a preparação ou realização das provas;
XI - utilizar ou tentar utilizar meios fraudulentos ou ilegais para obter
aprovação própria ou de terceiros em qualquer etapa ou fase do certame;
XII - incorrer em outras hipóteses que venham a ser previstas no edital do concurso.
§ 1º - O candidato poderá ser submetido a detector de metais e à
identificação por meio da coleta, no local, da impressão digital.
§ 2º - As entidades e órgãos promotores do concurso público não se
responsabilizarão pela guarda de objetos ou de equipamentos eletrô-
nicos durante a realização das provas.
§ 3º - De modo a assegurar a efetividade da fiscalização, as entidades e órgãos promotores do concurso público deverão disponibilizar
o mínimo de 1 (um) fiscal para cada grupo de 100 (cem) candidatos.
§ 4º - As entidades e órgãos promotores do concurso público deverão
capacitar ou orientar previamente os fiscais acerca das peculiaridades
do certame, visando principalmente à uniformização dos procedimentos.
Art. 24 - O edital preverá obrigatoriamente os critérios de desempate
entre os candidatos, utilizando-se, prioritariamente, de parâmetros baseados nos pesos das provas ou disciplinas.
Parágrafo Único - É vedado o estabelecimento de critérios de desempate baseados nos seguintes parâmetros:
I - raça;
II - gênero;
III - origem ou condição social;
IV - orientação sexual, política ou religiosa;
V - residência ou origem geográfica;
VI - vinculação prévia à Administração Pública.
Seção I
Das Provas Escritas
Art. 25 - As provas escritas poderão ser objetivas e/ou discursivas,
podendo ainda haver questões de ambas as naturezas na mesma
prova.
Art. 26 - Constará do caderno ou folha de questões o valor individual
da questão, cabendo à Banca Examinadora, por ocasião da correção
das provas, lançar a nota atribuída a cada resposta.
Art. 27 - As provas discursivas serão necessariamente submetidas a
processo de desidentificação antes de sua correção.
Art. 28 - É obrigatória a concessão de prazo para vista das provas
escritas e interposição de recurso ou pedido de revisão da nota atribuída pela Banca Examinadora.
§ 1º - O prazo de vista e recurso das provas escritas não poderá ser
inferior a 7 (sete) dias corridos, nem superior a 10 (dez) dias úteis, a
contar da data de divulgação das notas.
§ 2º - Será fornecida ao candidato ou a seu procurador regularmente
constituído, e se assim o requerer, cópia do cartão de respostas, no
caso de provas apuradas por sistema de leitura ótica.
§ 3º - Ao candidato, ou a seu procurador regularmente constituído,
será concedida vista de prova subjetiva, assim como da planilha de
contagem dos pontos das provas práticas (Capítulo VI, Seção III, deste Decreto) e da avaliação de títulos (Capítulo VI, Seção IV, deste Decreto).
§ 4º - A vista de provas será assegurada no recinto do órgão competente, de acordo com o edital, e durante o horário de expediente.
Art. 29 - Os recursos ou pedidos de revisão das notas atribuídas pela
Banca Examinadora poderão ser por ela julgados, desde que prevista
tal circunstância no edital.
Art. 30 - Os recursos ou pedidos de revisão das notas atribuídas pela
Banca Examinadora serão necessariamente submetidos a processo de
desidentificação.
Art. 31 - O recurso ou pedido de revisão das notas atribuídas pela
Banca Examinadora formulado por candidato que não tenha sido isentado da taxa de inscrição não poderá ser condicionado ao prévio pagamento de emolumentos.
Seção II
Das Provas Orais
Art. 32 - A prova oral consistirá na exposição verbal da resposta do
candidato a questões formuladas pelos membros da Banca Examinadora após o sorteio dos pontos do programa.
Art. 33 - O edital preverá expressamente o número de examinadores
que farão a arguição do candidato em cada etapa ou disciplina da
prova oral, assim como indicará o seu caráter eliminatório ou exclusivamente classificatório.
Art. 34 - A prova oral deverá ser feita em local de acesso permitido
ao público, podendo a Administração estabelecer número máximo de
vagas para ouvintes, com vistas à manutenção das condições adequadas à realização das arguições.
Parágrafo Único - Será permitido aos candidatos o registro dos sons
e imagens das suas respectivas arguições, desde que a sua realiza-
ção seja feita em condições adequadas ao ambiente de prova, vedado, porém, o uso comercial de tais registros.
Art. 35 - A nota atribuída ao candidato submetido à prova oral levará
em conta o conjunto dos conhecimentos técnicos e da fluência e correção verbal dos candidatos.
Seção III
Das Provas Práticas
Art. 36 - A prova prática consistirá na execução de tarefa inerente às
funções do cargo ou emprego público objeto do certame, em condi-
ções reais ou simuladas, em local e horário determinado previamente
pela Comissão Organizadora.
ParágrafoÚnico - Na hipótese de a prova prática implicar realização
de ato profissional regulamentado em lei que demande habilitação ou
capacitação específica, não se aplicará ao caso a vedação do art. 62
deste Decreto, podendo o edital prever a exigência de apresentação
da documentação comprobatória da qualificação legalmente estabelecida.
Art. 37 - O edital conterá os critérios objetivos de avaliação do candidato na realização da prova prática, fixando a pontuação ou peso
atribuído a cada item da avaliação e a fórmula de cálculo da nota
final do candidato em tal prova.
Art. 38 - As provas práticas devem ser realizadas em condições de
igualdade para todos os candidatos, autorizando-se o adiamento da
etapa, a critério da Comissão Organizadora, caso se verifique a superveniência de condições climáticas ou ambientais excepcionais que
inviabilizem o cumprimento de tal exigência.
Seção IV
Das Provas de Títulos
Art. 39 - Serão considerados como títulos aqueles que guardem afinidade com as atribuições do cargo ou contribuam para o seu aperfeiçoamento.
Parágrafo Único - Na previsão de atribuição de pontos para títulos, é
vedada a indicação de órgão ou entidade específicos, públicos ou privados, para efeito de apuração de experiência profissional, de forma-
ção acadêmica ou de aperfeiçoamento técnico.
Art. 40 - O edital do concurso que previr prova de títulos conterá obrigatoriamente cláusula prevendo os títulos aceitáveis, sua respectiva
pontuação singular e o máximo de pontuação para cada espécie de
título apresentado.
Art. 41 - A prova de títulos será exclusivamente classificatória.
Capítulo VII
Dos Exames
Art. 42 - Os exames consistem na avaliação das condições pessoais
e sociais do candidato no que diz respeito à aptidão para exercer as
funções inerentes ao cargo ou emprego objeto do certame.
Art. 43 - Os exames podem ser:
I - físicos;
II - de saúde;
III - psicotécnicos;
IV - sociais.
Seção I
Dos Exames Físicos
Art. 44 - Os exames físicos se destinam a aferir a detenção de condições mínimas, sob o ponto de vista atlético, dos candidatos a cargos e empregos públicos cujas atribuições reclamem especial forma
física.
Art. 45 - O edital conterá as provas ou etapas a serem cumpridas
pelos candidatos, assim como os índices mínimos a serem atingidos
para sua aprovação.
Art. 46 - Os exames físicos terão caráter eliminatório.
Art. 47 - Os exames físicos devem ser realizados em condições de
igualdade para todos os candidatos, autorizando-se o adiamento da
etapa, a critério da Comissão Organizadora, caso se verifique inapropriação do local e/ou a superveniência de condições climáticas ou ambientais excepcionais que inviabilizem o cumprimento de tal exigência.
Art. 48 - Os exames físicos deverão ser realizados em local de acesso permitido ao público, podendo a administração estabelecer número
máximo de vagas para espectadores com vistas à manutenção das
condições adequadas à execução dos exercícios.
Parágrafo Único - Será permitido aos candidatos o registro dos sons
e imagens de seus respectivos exames, desde que a sua realização
seja feita em condições adequadas ao ambiente dos testes, vedado,
porém, o uso comercial de tais registros.
Art. 49 - A superveniência de doença ou estado fisiológico que impeça ou prejudique a realização dos exames físicos não autorizará
seu adiamento ou sua repetição, fora das oportunidades previstas no
edital.
Seção II
Dos Exames de Saúde
Art. 50 - Os exames de saúde se destinam a verificar as condições
pessoais de saúde do candidato, averiguando a existência de moléstias ou más-formações que comprometam, ou possam vir a comprometer, a realização das funções inerentes ao cargo ou emprego objeto
do certame, que possam vir a expor agentes públicos ou terceiros a
risco de contaminação ou ainda que possam comprometer gravemente a continuidade ou eficiência de atividade da Administração Pública.
Art. 51 - O edital preverá as condições mínimas de saúde, formação
e compleição corporal.
Seção III
Dos Exames Psicotécnicos
Art. 52 - Os exames psicotécnicos serão realizados nos casos previstos em lei e se destinam a aferir as condições psicológicas do candidato e sua aptidão para realizar as funções inerentes ao cargo ou
emprego objeto do certame, devendo ser aplicados por profissionais
devidamente habilitados junto ao Conselho Regional de Psicologia, segundo critérios reconhecidos pelo Conselho Federal de Psicologia.
Art. 53 - A avaliação dos candidatos será registrada em processo
próprio, de caráter reservado, devendo constar em laudo técnico as
causas de incompatibilidade do perfil psicológico pessoal do candidato
com as atividades inerentes ao cargo ou emprego objeto do certame.
§ 1º - O candidato reprovado em exame psicotécnico poderá requerer
revisão do referido exame, da qual poderá participar assistente técnico
indicado por ele.
§ 2º - O prazo para requerer revisão do exame psicotécnico não será
inferior a 3 (três) dias úteis.
§ 3º - A revisão será decidida pela própria equipe ou comissão responsável pelos exames psicotécnicos, em decisão colegiada.
Seção IV
Dos Exames Sociais
Art. 54 - Os exames sociais se destinam a pesquisar o perfil social
do candidato e a eventual existência de incompatibilidade pessoal
deste para o exercício das funções inerentes ao cargo ou emprego
objeto do certame.
Art. 55 - Sempre que possível, o edital indicará de forma objetiva,
ainda que a título exemplificativo, as condições e circunstâncias sociais e pessoais da vida atual e pregressa do candidato que implicarão sua rejeição no exame social.
Art. 56 - O laudo ou relatório da equipe ou comissão responsável pelo exame social indicará a situação que der ensejo à reprovação do
candidato, explicitando o risco que tal situação representa para a idoneidade de sua atuação no cargo ou emprego objeto do certame ou
mesmo para a integridade das atividades do órgão ou entidade promotora do concurso público.
Capítulo VIII
Dos Cursos de Formação
Art. 57 - O edital definirá as condições e requisitos a que estarão
sujeitos os candidatos aprovados e classificados para realizar curso
de formação profissional, quando esse procedimento for exigido por
lei.
Parágrafo Único - O descumprimento ou o desatendimento de quaisquer dos requisitos mencionados no caput implicará não-confirmação
da aprovação do candidato no certame.
Art. 58 - Os candidatos submetidos à realização do curso de forma-
ção profissional na condição de alunos receberão, quando autorizado
por lei, bolsa-auxílio ou ajuda de custo durante o respectivo período.
Parágrafo Único - Em razão da inexistência de vínculo estatutário ou
contratual com a Administração Pública, a bolsa-auxílio ou ajuda de
custo de que trata o caput não constituirá remuneração ou qualquer
espécie de contraprestação por serviço, tendo natureza meramente indenizatória.
Art. 59 - Uma vez matriculado no curso de formação profissional o
candidato estará sujeito aos deveres, impedimentos e vedações aplicáveis ao cargo ou emprego objeto do certame, implicando a infringência de tais normas na eliminação do candidato do concurso.
Art. 60 - O candidato inscrito em curso de formação profissional o
realizará contínua e ininterruptamente, sendo vedada a concessão de
qualquer licença ou afastamento que implique prorrogação do período
do curso ou descumprimento dos requisitos mínimos de frequência.
Parágrafo Único - A candidata parturiente poderá renunciar à condição de aluna, hipótese em que será excluída do curso de formação
profissional, passando a figurar na primeira colocação da lista de candidatos remanescentes para eventual nova convocação.
Capítulo IX
Convocação para Nomeação, Contratação
e Curso de Formação Profissional
Art. 61 - Homologado o resultado do certame, o órgão ou entidade
promotora do concurso público, segundo seu juízo privativo de conveniência e oportunidade e de acordo com a disponibilidade orçamentária, convocará os candidatos aprovados e classificados para nomea-
ção ou contratação ou, quando for o caso, para participação em curso
de formação profissional.
Art. 62 - O edital preverá os requisitos e respectivos documentos
comprobatórios para o exercício das funções inerentes ao cargo ou
emprego público objeto do certame, só podendo o órgão ou entidade
promotora do concurso público exigi-los quando da convocação para
nomeação ou contratação ou, quando for o caso, para participar de
curso de formação profissional ou para realização de prova prática.
Parágrafo Único - Eventuais requisitos físicos ou de idade para nomeação ou contratação deverão guardar estrita relação com a capacidade física exigida para o desempenho das funções inerentes ao
cargo ou emprego público objeto do certame e contar com previsão
legal específica.
Art. 63 - O candidato, antes ou dentro do prazo de atendimento à
convocação para nomeação ou contratação ou, quando for o caso,
para participar de curso de formação profissional, poderá renunciar à
sua classificação, passando a constar no final da lista de aprovados
ou, caso o certame adote o regime previsto no art. 3º, parágrafo único, daquela de classificados.
§ 1º - A renúncia prevista no caput deste artigo só poderá ser exercida uma única vez.
§ 2º - O candidato que não atender tempestivamente à convocação
original ou que, tendo renunciado à sua classificação, não o fizer relativamente à segunda convocação, será eliminado do concurso.
§ 3º - O atendimento tempestivo à convocação promovida pela entidade ou órgão promotor do concurso público implica dever de comprovação, dentro do prazo assinado aos candidatos, de todos os requisitos para nomeação ou contratação estabelecidos no edital.
Capítulo X
Das Disposições Finais
Art. 64 - As disposições do presente Decreto poderão ser integradas
ou complementadas por normas regulamentares próprias dos órgãos
ou entidades promotoras de cada concurso público ou mesmo pelo
edital de cada certame.
Art. 65 - O atendimento às disposições deste Decreto não exime o
órgão ou entidade promotora do concurso público do dever de observar as normas de finanças públicas pertinentes à contratação de pessoal, em especial aquelas constantes da Lei Complementar Federal nº
101, de 4 de maio de 2000.
Art. 66 - O presente Decreto entrará em vigor 30 (trinta) dias após
sua publicação, revogando-se as disposições em contrário, especialmente o Decreto nº 41.614, de 23 de dezembro de 2008, e o Decreto
nº 41.835, de 27 de abril de 2009.
§ 1º - O presente Decreto não se aplicará aos concursos cujos editais
já tiverem sido publicados antes de sua entrada em vigor.
§ 2º - A reserva de vagas para negros e índios permanecerá disciplinada por regulamentos próprios, por se tratar de ação afirmativa de
caráter provisório cuja prorrogação está subordinada às condições excepcionais de desigualdade de que cuidam a Lei nº 6.067, de 25 de
outubro de 2011, e o Decreto nº 43.007, de 06 de junho de 2011.
Rio de Janeiro, 08 de outubro de 2012
SÉRGIO CABRAL

0 comentários :

Postar um comentário