Analytcs

sexta-feira, 12 de julho de 2013

Ministro defende fator previdenciário e regra geral para aposentadorias especiais

Garibaldi Alves,ministro da Previdência,  alertou sobre o possível impacto orçamentário da aprovação de aposentadorias especiais para categorias profissionais específicas. O alerta foi em razão do Projeto de Lei Complementar 201/12, possibilita a concessão de aposentadoria especial ao garçom, maître, cozinheiro de bar ou restaurante, ou confeiteiro. Ele ainda defendeu o fator previdenciário, alegando que seria desastroso acabar com o fator sem um substituto adequado seria desastroso para os cofres da previdência.



Sobre a segmentação o ministro afirma que:



"Eu não tenho preocupação com uma categoria. O problema é a possibilidade do que for dado a uma categoria se generalizar. A aposentadoria especial tenta proteger as pessoas com relação à saúde e, se isso for facilitado, generalizado, poderá trazer uma explosão nas contas da Previdência", disse Garibaldi logo após reunião com Henrique Eduardo Alves.

O autor do projeto, no entanto, rebate, dizendo que a medida "não deve impactar de forma significativa as contas da Previdência". Pois o custo previsto da medida será de 1% a mais da contribuição que já vem sendo paga.


Quanto ao fator previdenciário Guaribaldi, alertou que:


"O fim do fator previdenciário, se não for substituído adequadamente, é desastroso para as contas da Previdência. Eu compreendo a preocupação dos parlamentares com a redução do valor da aposentadoria, mas há um erro de origem nisso tudo. Isso porque, no Brasil, não há limite de idade para aposentadoria. Em país nenhum do mundo as pessoas se aposentam com 50 anos de idade. A capacidade laboral das pessoas é muito grande e temos de pensar no futuro da Previdência porque as pessoas no Brasil estão envelhecendo mais", argumentou o ministro.



O tema com as manifestações atuais volta aos holofotes e o governo teme pela primeira vez a derrubada do veto a lei que extinguia o fator previdenciário, ainda no governo Lula. E você o que acha?

0 comentários :

Postar um comentário