Analytcs

terça-feira, 10 de setembro de 2013

Como calcular sua aposentadoria por idade

dinero-real_2620473


A aposentadoria por idade é uma dos benefícios mais comuns na carteira de benefícios do INSS. Talvez pelo grande índice de informalidade, muitos trabalhadores e trabalhadoras, só conseguem sonhar com uma aposentadoria aos 65 ou 60 respectivamente. Como a maioria normalmente só deixa para a última hora, é bom entender como é feito o calculo, para saber se ainda é possível melhorar seu benefício.



O cálculo do benefício inicia-se em 70 % do salário de benefício + 1 % deste, por grupo de 12 contribuições, não podendo ultrapassar 100 % do salário benefício. Aqui é interessante lembrar que o fator previdenciário poderá entrar no cálculo, se for benéfico ao segurado.


Nos termos do §2º do art. 4 da Lei 9876/99:



§ 2o No caso das aposentadorias de que tratam as alíneas bc e d do inciso I do art. 18, o divisor considerado no cálculo da média a que se refere o caput e o § 1o não poderá ser inferior a sessenta por cento do período decorrido da competência julho de 1994 até a data de início do benefício, limitado a cem por cento de todo o período contributivo.

Caso o segurado não conte com contribuições no mínimo 60% do período básico de calculo compreendido entre 1994 e a data em que for requerido o benefício, ainda assim será aplicado este divisor. Por exemplo, um aposentado que possuía em agosto de 2013, 180 contribuições, destas 144, foram apuradas entre 1980 e 1992. Portanto ele só teria dois anos no PBC (período básico de cálculo), assim mesmo que ele tivesse recolhido no teto máximo previdenciário R$ 4159,00, totalizando-se estes dois anos em R$ 99816,00. Teríamos que dividir este total por 137[1] encontrando R$728,00, bem abaixo das últimas contribuições do segurado.









[1] O número foi encontrado da seguinte forma ano final subtraído do ano inicial do PBC, multiplicado por 12, deste valor calcula-se 60% , portanto:


[(07/2013-07/1994)*12+08/2013]*60%




9 comentários :

Joana D'arc Candido Dourado disse...

Gostaria de saber se posso começar a pagar como autônoma, pois trabalhei com carteira assinada por treze e a cinco anos trabalho como vendedora de roupa mas por conta própria e todo mundo me diz que eu preciso voltar a contribuir com o INSS para que eu possa me aposentar a minha perguntar principal é, se eu, começar a pagar conseguirei me aposentar ao 60 anos, hoje já estou com 55 anos.

Professor Darlan disse...

Com certeza Joana, aliás você pode se inscrever no plano simplificado de previdência (código 1163) e contribuir pelos próximos 3 anos com 11% do salário-minimo, hoje seria o equivalente a R$74,58.

Nair Madalena disse...

Olá Professor Darlan,
Eu tenho 17 anos de contribuição em firma privada anteriores a 1994 3 anos pagos(carnê) quando tive um negócio próprio, também antes de 1994. Entre 1994 e 2004 não contribuí. Em 2004 ingressei como educadora no estado de São Paulo e em 2007 como educadora na prefeitura de Guarulhos(CLT), permanecendo nos dois até hoje. Acredito que seja melhor me aposentar pela prefeitura porque o salário é melhor do que no estado e também é CLT, pois completarei dez anos de prefeitura e 30 anos de contribuição CLT (privada + autônoma + prefeitura) quando completar 60 anos.
No Estado, contando todo o tempo, eu contribuí 8 anos, mas tenho portaria desde
1981 quando trabalhei como OFA (eventual) por 15 dias e não sei se isso melhora alguma coisa.Hoje tenho 56 anos.
É melhor me aposentar pela prefeitura ou pelo Estado? Tenho como melhorar o salário da aposentadoria recolhendo como autônoma durante o tempo que resta?
Desde já agradeço.

Professor Darlan disse...

Se o regime de trabalho é "CLT" para todos os seus vínculos, você estará recolhendo para o Regime Geral de Previdência Social, ou seja, submetida as regras dos demais trabalhadores, não importando se pelo estado, prefeitura ou iniciativa privada. Portanto, ao completar 60 anos você deverá reunir todas estas contribuições no INSS e seu benefício será calculado conforme coloquei acima.

Professor Darlan

jose gustavo disse...

09 de agosto de 2014

Professor Darlan
Tenho 61 anos de idade e 30 anos de contribuição, sendo que a partir de julho de 1994 foram 5 anos contribuindo com o teto máximo, 6 anos contribuindo com 3 salário mínimo e 6 anos contribuindo com 4 salário mínimo.
Gostaria que dirimisse as minhas dúvidas.
1º Parar de contribuir e aguardar a idade de 65 anos? ou:
2º Terei que contribuir mais para alcançar o divisor mínimo exigido de 60%?
3º Quantas contribuições seriam necessárias até atingir este mínimo de 60%?

Professor Darlan disse...

1º- Com 30 anos você teria direito a 100% da média e tecnicamente não precisaria contribuir mais nem um dia para se aposentar por idade, o problema é justamente o "ou", então vamos ao 2º;
2º - Como você tem 61 anos presumo que você se aposentaria por idade com 65 anos em 2018. Portanto seu PBC seria utilizado o período de 1994 a 2018, contribuindo você ou não e sua média seria (aplicando a fórmula acima) a soma das 80% maiores contribuições que você relatou acima, dividido, no mínimo por 173 (60% do PBC)
3º A resposta já está no item 2º, contudo tem uma observação importante, como você já tem mais que as 173 contribuições teoricamente a única perda que você teria seria a correção das contribuições, que nos anos de inflação baixa é insignificante. Mas se você continuar contribuindo tem a oportunidade de aumentar sua média.

José Gustavo disse...

Professor Darlan

A dúvida quanto ao mínimo de 60% foi sanada

Quanto aos 80% das maiores contribuições, no meu caso , não seria 85% em vez de 80%(85% de 204 contribuições= 173) ?
Utilizaria 173 maiores contribuições, dividido por 173.

Professor Darlan disse...

José,

A média dos 80% foi estabelecida pela lei 9876/99, leva em conta todo o período contribuitivo. No seu caso 360, se você não contribuísse e as 80% seriam 288 maiores e não 173 (minimo de 60%).

Luiz disse...

Por que todos os que se manifestam sobre o tema passam ao largo do artigo 7º da Lei 9876, que mantém o direito à aposentadoria por idade pela média das últimas trinta e seis contribuições?

Postar um comentário