Analytcs

domingo, 5 de fevereiro de 2012

Simuladão Geral FCC/INSS V, versão final com 60 questões de todas as matérias

Hoje vamos fechar a nossa série de simulados com o simuladão geral V com 60 questões on-line,  de todas as matérias do edital do INSS (Português, Matemática, Informática, Ética, Constitucional, Administrativo, Lei 8112/90 e Previdenciário). Lembre-se, o simulado é gratuito, mas você agora precisa de 200 pontos ou melhor blog$ para acessar este simulado. O suporte é apenas para questões de Direito, mas se for necessário podemos colocar os demais temas das outras questões em discussão no fórum.


Lembre-se de anotar as questões que teve dúvida para orientar seu estudo nesta reta final e marcar o tempo total da prova, pois pode ajudar sua estratégia de resolução de questões.


[mtouchquiz 9]

43 comentários :

  1. No Simuladão Geral do INSS/FCC com 60 questões as questões:
    Questão nº 40 está errada pq o auxílio acidente pode sim ser pago com valor inferior ao mínimo, e ele não substitui o salário-de-contribuição.
    A questão de nº 54 e 55 são iguais.

    ResponderExcluir
  2. vanessa nielle silva5 de fevereiro de 2012 18:13

    queria muito fazer estas questões mais ainda não posso, buá, buá!

    ResponderExcluir
  3. Levi, corrigidas as inconsistências. Na 40 ao substituir o "por", pelo "ao", acredito que ficou correta.

    ResponderExcluir
  4. Darlan , entao o auxilio acidente pode se inferior a salario minino? exemplo : trabalhador q ganha 1 salario, e passar a receber auxilio acidente (50%) do salario de beneficio. Ou seja 50% do minimo vigente. Porque fiquei meio confuso com o comentario do levi.

    ResponderExcluir
  5. Ficou confuso mesmo, trata-se de duas situações diferentes. 1 quando ele for o benefício propriamente dito, neste caso pode ser menor que 1 SM. 2- quando ele for considerado como salário de contribuição, deverá ser considerado 1 (um) SM. OK? No caso da questão 40 trata-se da 2 situação.

    Art. 31. O valor mensal do auxílio-acidente integra o salário-de-contribuição, para fins de cálculo do salário-de-benefício de qualquer aposentadoria, observado, no que couber, o disposto no art. 29 e no art. 86, § 5º. (Restabelecido com nova redação pela Lei nº 9.528, de 1997)

    O art. 29, § 5º afirma Se, no período básico de cálculo, o segurado tiver recebido benefícios por incapacidade, sua duração será contada, considerando-se como salário-de-contribuição, no período, o salário-de-benefício que serviu de base para o cálculo da renda mensal, reajustado nas mesmas épocas e bases dos benefícios em geral, não podendo ser inferior ao valor de 1 (um) salário mínimo.

    ResponderExcluir
  6. Também achei complicado, porque geralmente é essa primeira situação.

    ResponderExcluir
  7. Darlan,

    por quê a resposta da questão 40 não´é a letra E, já que é cópia literal do que diz o art. 201, parágrafo 2 º da CF?

    "§ 2º - Nenhum benefício que substitua o salário de contribuição ou o rendimento do trabalho do segurado terá valor mensal inferior ao salário mínimo."

    ResponderExcluir
  8. Tem razão Elloa, vou retificar para E a resposta e colar seu comentário lá.

    ResponderExcluir
  9. Profº Darlan,
    diga-me! o que realmente o técnico do seguro social faz, quando vai trabalhar pela primeira vez na APS.
    VAI DIRETAMENTE PARA O ATENDIMENTO AO PÚBLICO?

    ResponderExcluir
  10. Normalmente se passa por um curso de ambientação, para ter as noções iniciais (isso na maioria das vezes fica a cargo do RH das GEX), após você passa por um treinamento em serviço, em vários setores, Sendo orientado por um colega com mais experiência.

    ResponderExcluir
  11. QUESTÃO 51 ESTÁ ERRADA! A LETRA E NÃO É A CERTA, PORQUE O FACULTATIVO É ALGUÉM QUE NÃO EXERCE PROFISSÃO REMUNERADA, COMO VAI PROVAR DESEMPREGO?

    ResponderExcluir
  12. Boa Noite, Prof. Darlan!
    Gostei do simulado. Percebi que em algumas questões errei por falta de atenção. Descobri também que precisaria de mais uns meses de estudo, pena que não dá mais tempo. Agradeço por tudo que fez por nós.Que Deus o abençoe!

    Rosa.

    ResponderExcluir
  13. Fiquei com dúvidas em 2 questões:
    1 - Questão nº 50 - O autônomo não contribui com individual? O brasileiro contratado no Brasil para trabalhar em filial de empresa brasileira no esterior não é segurado empregado? Como podem contribuir facultativamente?

    2- Questão 51 - Onde encontro que o facultativo pode prorrogar o período de graça por mais 12 meses se comprovar o desemprego junto ao MTE?

    ResponderExcluir
  14. Professor, parabéns por todos os simulados.
    E tudo que fez por nós rsrsrsrsrs.
    O nível de aprendizado muda muito após visitar seu site regularmente.
    Abraços

    ResponderExcluir
  15. Quanto a questão 16. Como se chegar ao resultado dado pelo gabarito?

    ResponderExcluir
  16. Questão 51 - Segurado especial pode contribuir facultativamente?

    ResponderExcluir
  17. Sim, porém não podemos confundir facultativamente com facultativo que é uma categoria de contribuinte.

    ResponderExcluir
  18. Lucas, fico muito feliz com sua observação!!

    ResponderExcluir
  19. Muito obrigado por nos proporcionar esse simuladão. Graças à Deus, depois de muito estudo, errei somente 1 de previdenciário, e de bobeira....
    Se Deus quiser, e ele há de querer, dará tudo certo.

    ResponderExcluir
  20. Professor Darlan:
    Na questão 34, não entendi porque caso José venha a casar ele perderá sua cota da pensão em favor dos outros pensionistas..
    Na questão 51 a resposta do gabarito diz que o Segurado facultativo pode ter seu período de graça prorrogado em 12 meses se comprovar situação de desemprego... mais ele já não contribui facultativamente por não ter nenhuma forma de remuneração?

    ResponderExcluir
  21. Darlan,
    Na questão 51 eu não entendi o porque o segurado facultativo pode ter a prorrogação de 12 meses do período de graça se a lei 8213/91 só dá este direito aos contribuintes empregados, pelo menos é o que eu entendo quando a lei diz: " o segurado que deixar de exercer atividade remunerada abrangida pela Previdência Social ou estiver suspenso ou licenciado sem remuneração"


    Art. 15. (...)
    § 2.º Os prazos do inciso II ou do § 1º serão acrescidos de 12 (doze) meses para o segurado desempregado, desde que comprovada essa situação pelo registro no órgão próprio do Ministério do Trabalho e da Previdência Social.

    I - até 12 (doze) meses após a cessação das contribuições, o segurado que deixar de exercer atividade remunerada abrangida pela Previdência Social ou estiver suspenso ou licenciado sem remuneração;
    § 1.º O prazo do inciso II será prorrogado para até 24 (vinte e quatro) meses se o segurado já tiver pago mais de 120 (cento e vinte) contribuições mensais sem interrupção que acarrete a perda da qualidade de segurado.

    ResponderExcluir
  22. Mas o segurado especial não está na categoria de segurados obrigatórios e facultativamente somente na alíquota de 20%?

    ResponderExcluir
  23. Professor o prazo para a empresa guardar docs. q poderão ser requeridos pelo INSS é de 5 ou 10 anos???
    E Quanto a empresa para ter redução da alíquota do SAT ela tem q apenas apresentar redução no nº de acidentes de trabalho ou é necessário o efetivo investimento para que se possibilite redução de acidentes??
    Grato

    ResponderExcluir
  24. Eu acho q essa questão está com o gabarito errado!! A letra E esta errada e a C está correta!

    ResponderExcluir
  25. nem consegui acessar.;)

    ResponderExcluir
  26. Ednilson, a Elloa também esta questionando esta resposta da 51. Estou revendo minha posição em relação ao gabarito.

    ResponderExcluir
  27. Na questão 34 o José é filho, caso ele se case deixa de ser dependente do João. Pois ele será emancipado pelo casamento

    Art. 16. São beneficiários do Regime Geral de Previdência Social, na condição de dependentes do segurado:

    I - o cônjuge, a companheira, o companheiro e o filho não emancipado, de qualquer condição, menor de 21 (vinte e um) anos ou inválido ou que tenha deficiência intelectual ou mental que o torne absoluta ou relativamente incapaz, assim declarado judicialmente

    ResponderExcluir
  28. Lucia, em relação ao item 2 (questão 51) retifiquei aquela afirmação em relação ao facultativo. Acredito que era um posição equivocada ou eu tinha bebido na hora que escrevi, ou seja, foi apagada (rsrsrs). No item 1 (questão 50) a letra D está errada, eles não podem contribuir facultativamente.

    ResponderExcluir
  29. Elloa, você e a Marcia estão certas. Vou retificar o gabarito desta questão.

    ResponderExcluir
  30. Mas é justamente esse o problema! Apesar de ser contribuinte obrigatório o segurado especial pode contribuir facultativamente caso queira aumentar sua renda. Sei que é confuso, pois entendemos que os segurados obrigatórios tem que contribuir, mas o segurado especial contribui de uma forma diferente, quando comercializa a produção e desta forma terá um benefício de um salário mínimo, mas caso queira uma renda maior poderá contribuir facultativamente (e não como facultativo).

    ResponderExcluir
  31. Na verdade os prazos variam de 2 a 30 anos, tem uma tabela muito boa neste link , na segunda parte da pergunta é em relação ao número de acidentes, pois o valor do investimento seria um critério difícil de auferir.

    ResponderExcluir
  32. Pessoal, exclui a questão 16 e todas as outras a partir dela subiram, assim por exemplo a 51 passou para 50

    ResponderExcluir
  33. Professor Darlan, parabéns pela iniciativa e, tá sendo muito proveitoso estes simulados, pois na reta final é isso, resoluções de questões.

    ResponderExcluir
  34. Professor preciso de sua ajuda Urgente
    Quanto ao salário de benefício da aposentadoria por idade como é calculado?? 70 % mais 1 % a cada 12 meses? eu sabia q era assim, agora minha professor a aqui no curso q eu to fazendo disse q não é mais assim e q é 100 % do salário de benefício.
    Obrigado e aguardo ansiosamente até domingo! Abraço

    ResponderExcluir
  35. Bom, veja a redação do art. 50.

    A aposentadoria por idade, observado o disposto na Seção III deste Capítulo, especialmente no art. 33, consistirá numa renda mensal de 70% (setenta por cento) do salário-de-benefício, mais 1% (um por cento) deste, por grupo de 12 (doze) contribuições, não podendo ultrapassar 100% (cem por cento) do salário-de-benefício.

    É a mesma desde 1991, se alterou o sitio do Planalto ainda não atualizou, o que acho muito dificil.

    ResponderExcluir
  36. Obrigado Prof° É isso mesmo como pensei a professora se enganou e confundiu a aposentadoria por idade c/ a aposentadoria por tempo de contribuição! Grato!

    ResponderExcluir
  37. Professor estou aqui novamente precisando de sua ajuda!!
    Para o dependente ter direito ao auxilio reclusão, o presidiário tem apenas q estar recluso pode ser em prisão temporária, preventiva aguardando julgamento em crime inafiançável e etc... ou tem q ser condenado em definitivo??
    E outra coisa:
    Quanto ao salário maternidade da adotante, vale a regra dos 120 dia para acrianças até 1 anos - 60 dias de 1 a 4 anos e 30 dias de 4 a 8 anos?? ou teve alguma alteração posterior minha professora disse q teve uma alteração em que toda adotante de criança de até 12 anos tem direito ao salário maternidade em tempo total de 120 dias?? Acho q ela ta enganada!!
    Aguardo ansiosamente sua resposta Grato!!

    ResponderExcluir
  38. Na primeira pergunta precisa apenas estar recluso, em relação a segunda situação a Lei 8213/91 também não foi alterada e não tem nenhuma referência! Vou até pesquisar um pouco mais sobre isso, pois não é a primeira vez que ouço. Deve ter algum projeto de lei ou algo do gênero.

    ResponderExcluir
  39. Achei onde esta a confusão, a Lei 12.010, de 29 de julho de 2009 alterou a licença-maternidade na CLT, sem alterar o salário-maternidade da lei 8213/91, portanto sugiro que mantenha a tabela que você citou ai em cima por dois motivos: 1- Na minha opinião apesar de terem o mesmo fato gerador o salário-maternidade e a licença-maternidade são institutos diferentes e também pelo fato da CLT não estar no edital do INSS e se o examinador cobrar a interpretação que a Lei 12010 derrogou a Lei 8213 na parte do período do salário-maternidade correria o risco de ter a questão anulada. Alterado o entendimento acim pela MPV nº 619, de 6 de junho de 2013;

    ResponderExcluir
  40. Ok professor muito obrigado pelo seu auxílio!!
    Obrigado mesmo.
    Abraço!

    ResponderExcluir
  41. kellenelizabeth@hotmail.com30 de setembro de 2013 18:39

    legal

    ResponderExcluir